sexta-feira, 2 de outubro de 2009

minha fantasia sexual é assexuada


Minha fantasia sexual é assexuada

Sou uma prostituta culta, que vive nas ruas de Boston em 1847. Bebo num bar de quinta categoria quando percebo ao meu lado, Edgar Allan Poe, completamente bêbado, recitando, entre soluços, “O Corvo” e chorando sua Virginia que acaba de falecer. Me aproximo e puxo assunto, depois de recitar com ele o poema que li num jornal de 1845. Poe se agrada de minha companhia e conversamos a noite inteira.

Eu o ajudo a chegar a sua casa e memorizo o caminho. Passo a freqüentá-lo, com a desculpa de querer aprender sobre literatura, mas sendo sempre seus ouvidos atentos e seu ombro amigo. A estranha amizade dura, a despeito da vizinhança hipócrita. Se eu transo com Edgar Allan Poe? Sei lá, nunca pensei nessa parte. O mais importante é que, sim, eu o salvaria de morrer na sarjeta, em 1849.

Deborah O’Lins de Barros
Itajaí, 31/08/2009

4 comentários:

Marilu Ster disse...

O que mais me chamou atenção nos seus textos é a delicadeza como coloca as palavras. Em tudo há emoção.
Acabo de conhecer Edgar Allan Poe: O Corvo. É lindo.
Ótima sugestão de fantasia.
Vou descobrir quem será meu sedutor.hehehe

Mary

Deborah O'Lins de Barros disse...

Oi Mari!!!
desejo que o seu sedutor seja tão imprescindível quanto o meu!!
beijos!!

Anônimo disse...

Isto que escreveste é magnífico>

Karl

Deborah O'Lins de Barros disse...

Obrigada, Karl...
abraço :-)