quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Kafka no Palito

"É um bom trocadilho para nome de restaurante", pensou o proprietário. E assim o registrou: Kafka no Palito. Cada dia da semana, um evento diferente. Terça, dança do ventre; quarta, futebol e assim em diante. Resolveu criar também um dia de discussões de filosofia e literatura, para assim justificar o nome do lugar. Quinta-feira.
Nos três primeiros dias da semana o movimento foi ótimo. Curiosos, casais e famílias foram provar a tal "comida árabe com algo mais". Mas poucas pessoas foram ao Kafka no Palito no dia da filosofia. E nem discutiram nada, apenas comeram e foram embora.

O dono achou estranho e resolveu acompanhar o movimento do mês. As cenas se repetiram. Conclusão: ninguém sabia quem era Kafka. Aborrecido, o homem decidiu passar desenho animado na quinta e aquilo virou o paraíso da criançada. Ah, ele também trocou o nome do restaurante, que agora é Kafta no Palito. Mas ninguém reparou.
FIM
Deborah O'Lins de Barros
Itajaí, 24/02/2010

5 comentários:

Louis Alien disse...

muahahahahahaha

kafka no palito!!!! impagável!!!

eu fiquei relendo pra ver se era kafka ou kafta, no começo... é um ótimo trocadilho, mas penso em kafka no palito e me vem logo uma baratinha espetada... hauhauahuahuahauah

Deborah O'Lins de Barros disse...

garanto que a cozinha desse restaurante é limpinha. o Gregor não entra lá de jeito nenhum!!!
beijossssss

Enzo Potel disse...

então, depois que banalizou e virou o "Kafta" no palito, eu deixei de ir...
To indo no Apressado Come Crú, sushi bar charmozinho ali da beira rio. vamos?!

bjones!

Ricardo Steil disse...

Muito bom, Deborah. Adoraria ter frequentado o mesmo, apesar de detestar filosofia e amar psicologia - que acredito ser a salvação da humanidade, mais do que a primeira. Outro grande texto, parabéns.

Deborah O'Lins de Barros disse...

Apressado Come Cru? amo fast food japonês, vamos sim Enzo!!! :-)

Obrigada pelo comentário, Ricardo, e eu tb adoraria ter frequentado o meu restaurante imaginário...