segunda-feira, 25 de abril de 2011

foi poeta, sonhou e amou a vida

Digam e creiam o que quiserem: — todo o vaporoso da visão abstrata não interessa tanto como a realidade formosa da bela mulher a quem amamos.


Manoel Antonio Álvares de Azevedo
12/09/1831 - 25/04/1852

159 anos nos separam, mas você sempre será meu poeta preferido.

2 comentários:

Jenilson disse...

Grande Álvares de Azevedo!
Caso não morresse tão cedo, ainda iria redigir muitas obras para nós, seus seguidores.

Deborah O'Lins de Barros disse...

Com certeza! Mas nada supera a textura crua da obra do Maneco. Talvez ele tivesse editado, modificado, não publicado alguma coisa. E eu adoro essa adolescência, esse frescor romântico do homem que eu gosto de dizer que foi minha encarnação passada :-)